Entretenimento

7 coisas que aconteceriam se a Rainha Elizabeth II morresse agora

Nosso mundo já foi governado pelos mais variados sistemas, tanto que durante muito tempo, este foi motivo de guerras e conflitos políticos. A monarquia, por exemplo, é um dos modelos que passou a ser menos utilizado, visto que poucos países ainda o conservam. Os britânicos compões um dos poucos povos que ainda o mantem. Desde o ano de 1952 a Rainha Elizabeth II se tornou rainha, conquistando de forma impressionante, pessoas do mundo todo.

Bom, o fato é que até o momento de publicação desta matéria ela tem 91 anos. É bem provável que na próxima década ela deixe de viver entre nós. Mas o que poderia ocorrer caso isso acontecesse logo? Certamente, inúmeras mudanças. Pensando nisso, separamos abaixo 7 coisas que aconteceriam caso a Rainha Elizabeth II morresse agora. Confere aí!

1 – Mortes reais já significaram um desastre

Quando alguém da realeza falece, sempre se espera um funeral glorioso. A questão é que em outros casos, verdadeiras tragédias já aconteceram. No caso da morte da princesa Charlotte por exemplo, os responsáveis pelo funeral estavam  bêbados. Providências tiveram que ser tomadas para que os convidados não se batessem.

Durante o enterro do duque de York, em 1827, estava fazendo tanto frio que até o bispo de Londres morreu. Enfim, o fato é que é sempre difícil lidar com a morte de alguém da realeza… Imagina o que poderia acontecer no funeral da Rainha Elizabeth II…

2 – Será o maior funeral da história

A Rainha Elizabeth II é bastante querida pelo mundo todo. Devido a esse fator, certamente seu funeral seria o maior de toda a história já registrado. Por exemplo, quando a princesa Diana morreu, mais de 1 milhão de pessoas acompanharam seu velório, enquanto outras 2,5 bilhões assistiam pela TV.

No caso da rainha, estima-se que pelo menos meio milhão de pessoas aguardem para vê-la, em apenas um quarto. Telões serão erguidos pelas ruas para que as pessoas consigam acompanhar o funeral. Praticamente todas as bandeiras serão baixadas a meio mastro, sem contar que será decretado um dia de luto nacional… Todos acabariam parando nesse dia.

3 – Tudo já está planejado

Tudo está meticulosamente planejado dentro do que chamam de operação London Bridge. Por exemplo, às 11 horas do dia seguinte à morte da Rainha Elizabeth II, o príncipe Charles será proclamado como rei. No dia do funeral, o caixão deverá alcançar as portas de Abadia de Westminster exatamente às 11 horas da manhã.

Fora da Grã-Bretanha, alguns outros governos possuem seus segredos sobre o que farão no dia da morte da rainha. Praticamente todos os veículos de comunicação possuem também uma programação pronta para o dia. De acordo com Chris Price, da BBC, se você escutasse a música acima, “Haunted Dancehall (Nursery Remix)” da Sabres of Paradise, seria porque um algo realmente horrível aconteceu, ou então uma morte extremamente importante.

4 – Cada erro será julgado

Tudo que se tem em mente é que os veículos de comunicação, e todos aqueles que decidirem se expressar pelas redes sociais, serão severamente julgados. Para você ter noção, quando a rainha mãe faleceu, Peter Sissons, um apresentador de telejornal, passou a usar uma gravata vermelha.

Ele começou a ser perseguido por outro veículos de comunicação que alegavam que aquilo era uma falta de respeito, e que a rede de TV em que o apresentador trabalhava estava tratando a morte da rainha como um acontecimento corriqueiro. A questão é que agora, com o advento das redes sociais, as coisas podem acabar se complicando ainda mais.

5 – A identidade nacional britânica será completamente mudada

Bom, o fato é que muito sobre a cultura britânica é voltado para a Rainha Elizabeth II. A moeda local possui o rosto dela, sua insígnia faz parte dos uniformes de militares, e até o próprio hino nacional faz referência total a ela: (God Save the Queen, que em tradução significa Deus Salve a Rainha).

Após sua morte, a nova moeda nacional deveria ser impressa imediatamente. o hino também seria alterado para “God Save the King” – “Deus Salve o Rei. Passaportes seriam trocados, insígnias alteradas e até mesmo novos selos deveriam ser impressos.

6 – Custará bilhões à economia

Imagine o valor que os cofres deverão desembolsar para realizar o funeral da Rainha Elizabeth II. A economia do Reino Unido acabará perdendo alguns bilhões, isso sem contar os custos que terão com a próxima coroação… Cerca de 12 dias após a morte, lojas e bancos fecharão novamente em sinal de respeito e luto. Os dias da morte dela e e da coroação do Príncipe Charles serão considerados feriados nacionais.

Por outro lado, certamente haverá um número muito maior de turistas no país, o que pode compensar alguns desses custos. No entanto, a economia permanecerá pior que antes.

7 – A Grã-Bretanha pode se tornar uma nova república

Por mais que pesquisas apontem que a monarquia é aprovada pela maioria do público britânico, isso pode mudar. A questão é que um novo rei sem toda a estabilidade, reconhecimento e história conquistados pela rainha pode não ser algo tão bom assim.

De acordo com Greg Jenner, um historiador, a “admiração pública pela Rainha Elizabeth II é um fato maciço para a atual monarquia. Ela é realmente notável”.

Embora se especule que o apoio público pode cair de fato, poucos levam em consideração que a monarquia se dissolva tão rapidamente.

E então pessoal, o que acharam? Já tinham noção de algo que poderia acontecer caso a rainha morresse? Compartilhem suas ideias com a gente aí pelos comentários!

Comentários

CONTINUAR LENDO
To Top